Inspirada pela natureza, a Uni passou por mudanças significativas no ano que passou. E assim segue, vale destacar: impermanente, Viva!

Para trabalhar (e se trabalhar) com jovens de diferentes mundos, a Universidade Viva Inkiri passou a contar com uma equipe de três facilitadores, também jovens, além de um guardião-raiz. Em 2018, o projeto oficializou uma grande parceria internacional e, a partir daí, sua metodologia vem se transformando em programa educacional.

Vivemos em um mundo complexo, que passa por mudanças tão profundas quanto rápidas. Os jovens de hoje enfrentam os efeitos das crises geradas pelas escolhas feitas pela humanidade ao longo dos anos. E o colapso nos mais diversos tipos de sistemas em sua forma estabelecida (econômico, político, familiar, ambiental e cultural) prova que é preciso criar novas formas de viver. Mas como formar indivíduos preparados para esse novo mundo?

Uma das principais imersões educacionais de Inkiri Piracanga, a Uni, como é chamada pelos membros da Comunidade Inkiri, se dispôs a trabalhar esta necessidade. “E é por isso que se chama Universidade Viva. O processo é vivo, está em constante mutação, assim como os jovens”, explica Bruno Tambellini, raiz do projeto.

Nova metodologia

Em 2018, a Universidade Viva Inkiri adotou uma nova metodologia, que vem sendo desenvolvida há dois anos. Baseada em três pilares, seis valores e três passos. Tudo para que os jovens (conhecidos em Piracanga como “unis) descubram como (re) encontrar a autenticidade na forma como se relacionam com a vida (dentro de si, nos outros e no mundo).

Vida em comunidade, contato com a natureza e autoconhecimento formam a fundação da Metodologia Uni. Indicam onde o trabalho começa, quer chegar e como se vive o trajeto, sustentando e norteando o processo educacional. Amizade, leveza, autorresponsabilidade, desenvolvimento, honestidade e respeito são a bússola, ajudam o cultivo de escolhas alinhadas e coerentes com a proposta do projeto.

Jovens reunidos, deitados no chão, durante atividade da Uni Viva Inkiri
Fotos: Vini Teles

E, em um caminhar de dentro para fora, as trilhas percorridas na Uni começam no “Eu”, em um profundo mergulho no autoconhecimento. Em um momento dedicado a olhar para si. Em seguida, os unis olham para “O Mundo”, com o objetivo de redescobri-lo. De explorar as realidades em que estão inseridos, tanto em micro quanto em macroescala. Por fim, os guardiões promovem a oportunidade para os jovens investigarem o ponto de encontro entre o que cada é, faz e gosta, e aquilo que o mundo precisa, pede e carece. Unindo o que sonham para suas vidas pessoais com o que sonham para a humanidade.

A Metodologia Uni foi inspirada na natureza, pelo desenvolvimento a partir da instabilidade. “Não como o que o mundo talvez está travando, mas um desenvolvimento humano, sustentável”, explica Bruno. E, para alcançá-lo, o padrão seguido pela Uni é o do movimento:

“Na natureza, quando temos estagnação, o próprio sistema se quebra. Se você tem uma floresta e está tudo estável, uma árvore cai e derruba tudo formando um pleno caos, para fazer com que novas espécies, que também estavam estagnadas, possam se desenvolver novamente”.

“Se analisarmos todas as gerações, a que mais muda é a juventude. Todas as revoluções acontecem nessa faixa etária que vai dos 18 aos 28 anos”, explica Bruno. “Hoje é isso. E daqui a dois anos, talvez até tenhamos que criar uma metodologia nova, para uma nova geração. Estamos em constante observação e mudança porque o ser humano está em constante transformação”, completa o guardião-raiz.

Guardiões da Uni Viva Inkiri

Nova equipe

Em 2018, a Universidade Viva Inkiri passou a contar com quatro pessoas no time. São três facilitadores, além da raiz do projeto (raiz é o termo utilizado na estrutura organizacional de Inkiri Piracanga para indicar a pessoa que se dedica, como em uma planta, a nutrir um projeto para que ele seja autossustentável).

Bruno é membro da Comunidade Inkiri, tem experiência em vida em comunidade, e é formado em ecologia e em criação e desenvolvimento de projetos. Ana Laura Macedo é educadora e também trabalha com a metodologia do Dragon Dreaming, facilitando a conexão dos jovens com o mundo externo. Carolina Farah contribui com sua bagagem de palhaça, artista e viajante, além da experiência como ex-participante da Uni. E o músico, viajante e tradutor Lucas Asnis, com a sensibilização dos unis.

Para ajudar a materializar o próprio sonho, assim como realizar o Sonho Inkiri, a Uni também conta com um campus próprio em um terreno da Comunidade Inkiri, em Piracanga. O espaço tem capacidade para 30 jovens, com 20 leitos, duas salas de aula, templo, cozinha e banheiros secos próprios.

De onde veio

Bruno conta que a Universidade Viva Inkiri nasceu há cinco anos, durante um período de expansão, a partir da percepção de uma necessidade de atrair mais energia jovem para Piracanga. “Os jovens que estavam aqui eram muito velhos, de certa forma. Eu, por exemplo, era jovem, mas era mais velho do que sou hoje”, explica.

Área de separação de resíduos da Uni Viva Inkiri

Com a chegada desses jovens, em busca de algo diferente no mundo, a Uni surgiu para proporcionar a eles a experiência daquilo que já se vivia em Inkiri Piracanga. Na época, os inkiris já trabalhavam com sistemas ecológicos. Também já existiam o Restaurante e a Escola Inkiri.

A partir daí, o guardião-raiz da Uni explica que Inkiri Piracanga sempre foi um polo de educação: “Desde aquela relacionada à espiritualidade, com o ensino e prática da Leitura da Aura e do Reiki, que são os carros-chefes daqui. E, depois, na própria formação da Comunidade, que em algum nível começou com a criação da Escola Inkiri”. E que a Uni Viva Inkiri se tornou um reflexo da Comunidade: “Ela veio representando os projetos que existiam na época, que eram menos do que temos hoje. Com o intuito de formar o desenvolvimento para os jovens atingirem uma plenitude”.

Área de acesso aos banheiros secos da Uni Viva Inkiri

Após a formação da Uni, várias pessoas deram as suas contribuições para que ela pudesse chegar ao que é hoje. Cada guardião que por ela passou somou um pouco. “A Flor, na época, depois a Soraya, que trabalhava na Escola Inkiri. E aí essa energia foi mudando, porque as pessoas foram mudando. E no meio disso, tivemos muitas transições, fomos aprendendo muita coisa. Começamos a ver que jovens saiam daqui transformados no aspecto da descoberta de si. No aspecto relacionado a esse descobrimento. Mas quando chegavam na realidade, que era a realidade deles de fato, estavam enfrentando um choque muito grande”.

E em 2016, com a chegada do atual guardião, a Universidade Viva Inkiri começou a fazer a transição para a metodologia atual. “A gente pegou um projeto que estava dando muito certo. E quisemos melhorar. Foi desafiador, mas eu sinto que não tinha outro caminho. É parte do processo do caminho da Universidade passar pela fase de experiência para, depois, se tornar um programa de educação para, de fato, trabalhar com o desenvolvimento do jovem em todos os níveis. E encontrar resultados coesos, consistentes com aquilo que estamos fazendo”.

Acomodações no campus da Uni Viva Inkiri

Parceria internacional

A transição de metodologia levou a Uni a fechar uma grande parceria, em 2018, com o YIP – Young Iniciative Program, da Suécia. Como parte do período de um ano do programa sueco, 63 jovens de 19 nacionalidades experienciaram a vida na Comunidade Inkiri por dois meses.

Bruno explica que o YIP é muito similar à Universidade Viva Inkiri. Os dois têm a mesma faixa etária, dos 18 aos 28 anos:

“Somos das poucas iniciativas de educação alternativa para jovens do mundo. É comum pensar na infantil ou de adultos, mas não de jovens. Então, eu sinto que estamos na vanguarda dessa educação”.

Para somar na parceria, o YIP trouxe para o Brasil facilitadores internacionais. “Desde líderes do Art of Hosting, metodologia do Canadá e da Dinamarca, até pessoas que estão trabalhando com desenvolvimento de projetos nos Estados Unidos. Eles trouxeram as teorias e a gente fez a aplicação delas na vida do ser humano. Foi muito legal, positivo, e desafiador. Fizemos um misto de programa. De manhã, tínhamos a condução dos facilitadores de fora. A tarde, tínhamos atividades mais ligadas à Comunidade Inkiri”, completa.

E a parceria foi tão positiva que agregou ferramentas práticas para o segundo e terceiro passos da Metodologia Uni: “Fomos descobrindo que todos os grandes projetos que trabalham com jovens hoje, em nível mundial, estão trabalhando muito essa perspectiva de criação de projeto, desenvolvimento de empreendedorismo, e desenvolver pessoas com capacidades de gerar impacto socioambiental”.

Para onde vai

Para 2019, o sonho da Universidade Viva Inkiri é o mesmo da Comunidade Inkiri: ir além. Transformar em algo novo, compartilhando os aprendizados e as conquistas locais. Criar e desenvolver mais projetos que afetem positivamente a todos: Piracanga, seu entorno, Itacaré, Bahia, Brasil e, por que não, o mundo. Para isso, o projeto de educação passou a oferecer novas possibilidades de conexão com a Metodologia Uni.

Programa imersivo

Área externa do campus da Uni Viva Inkiri

É a experiência mais completa que a Universidade Viva Inkiri oferece. Com duração de dois a três meses – um mês para experienciar profundamente cada passo da Metodologia Uni –, esse programa é um convite para jovens de 18 a 28 anos, de diversas partes do Brasil e do mundo, se reunirem em Inkiri Piracanga para viverem juntos uma intensa jornada que pode transformar suas vidas (a próxima edição se aproxima! De 11 de fevereiro a 9 de março, com participação de Edgard Gouveia, facilitador de mudanças sociais por meio de jogos cooperativos. Clique aqui para saber mais e se inscrever).

Clique aqui e confira as próximas datas do programa imersivo

Inkiri Youth Festival

O Inkiri Youth Festival é uma experiência imersiva com duração de três a quatro semanas em que jovens de 18 a 28 anos de diversas partes do Brasil e do mundo experienciam a Metodologia Uni de forma compacta. Com uma programação mais celebrativa, flexível e experimental, cada edição do Festival tem a sua própria cara.

Clique aqui e confira as próximas datas do IYF

Experiência Pocket

Com duração de cinco a dez dias, cada Experiência Pocket é uma minijornada onde os jovens de 18 a 28 anos navegam por algum tema específico através dos passos da Metodologia Uni.

Clique aqui e confira as próximas datas da Experiência Pocket

Cursos com convidados inspiradores

Experiências em que pessoas que inspiram e ensinam a Comunidade Inkiri são convidadas a compartilhar seus conhecimentos em Inkiri Piracanga.

Clique aqui e confira as datas dos próximos cursos

Palestras, workshops, cursos e imersões no Brasil

Experiências diversas com o objetivo de levar a Metodologia Uni para outros lugares do Brasil (se tiver interesse em levar a Universidade Viva Inkiri para a sua cidade, projeto ou empresa, entre em contato pelo universidade@inkiri.com).

Clique aqui e confira as datas dos próximos cursos

Rede #oQueNosUni

Para além dos programas, cursos e experiências, a Universidade Viva Inkiri é também uma comunidade de pessoas conectadas e espalhadas pelo mundo que segue em expansão. O projeto está cocriando, junto a ex-unis, estruturas diversas para que essa rede internacional siga ativa e fortalecida, se tornando uma grande potência que conecta jovens para a criação de projetos, amizades, apoio e possibilidades.

Uni Cidade

Bruno ainda adianta que, nos próximos meses, deve ser lançada a primeira Uni Cidade. A ideia é trabalhar com ex-unis que possam estar com dificuldade de integrar, na cidade, todo o conhecimento adquirido, além de apresentar a Metodologia Uni para novos jovens. “Será um experimento, em São Paulo, para que possamos conectar a realidade urbana ao trabalho que estamos fazendo em Inkiri Piracanga”, revela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *