08.06.2020 - 12.06.2020

Esse festival será um encontro com mestres populares e guardiões das florestas e da natureza. Mestres que marcam e simbolizam a cultura brasileira, como uma forma de honrar as nossas raízes, ao mesmo tempo que celebramos com muita música, dança e alegria essa nossa brasilidade pulsante e mística.

 

CULTURA REGENERATIVA

Valorizar e cultivar a nossa cultura popular é parte importante na construção de uma cultura regenerativa e a formação de comunidades de paz. Isso fica muito claro se observamos que a maioria das áreas de floresta e ecossistemas preservados têm como guardiões os povos tradicionais do Brasil. Nesse festival teremos também oficinas, palestras e rodas de conversas sobre agroecologia, permacultura, construções naturais, saneamento ecológico e outros saberes que contribuem para uma cultura que vai além da preservação ao promover a regeneração de ecossistemas e a formação de comunidades integradas ao meio ambiente.

POVOS TRADICIONAIS

Povos e Comunidades Tradicionais são grupos culturalmente diferenciados e que se reconhecem como tais, que possuem formas próprias de organização social, que ocupam e usam territórios e recursos naturais como condição para sua reprodução cultural, social, religiosa, ancestral e econômica, utilizando conhecimentos, inovações e práticas gerados e transmitidos pela tradição.”Decreto Federal nº. 6.040 de 7 de fevereiro de 2000

INDÍGENAS

Vamos valorizar os povos originários dessa terra, com a presença de representantes do povo Tupinambá de Olivença – BA: Nádia e Ramon, que são líderes da aldeia Tucum, e vão trazer seus rituais e limpeza, música, pintura corporal e ensinamentos sobre as medicinas da natureza. Ouvir os representantes indígenas nesse festival é antes de mais nada um posicionamento político de apoio a esses povos que (ainda) hoje vem sendo ameaçados e precisam de muito apoio para terem suas terras asseguradas.

AGROECOLOGIA

Contamos também com a participação de agricultores familiares que vem nos inspirar pela simplicidade e conexão profunda com a natureza, e esse é um convite a um resgate de saberes tradicionais como o cuidado com as sementes crioulas e com os ciclos de plantio e colheita. Estaremos na época do milho verde e das festas juninas que são tão populares na Bahia! Então esse festival vai valorizar muito a cultura caipira! Além de plantar e conhecer um pouco sobre agroecologia, teremos muita músicas e danças típicas – quadrilha, casamento na roça, correio elegante, gincanas e brincadeiras!

CAPOEIRA 

Uma característica que distingue a capoeira da maioria das outras artes marciais é a sua musicalidade. Praticantes desta arte marcial brasileira aprendem não apenas a lutar e a jogar, mas também a tocar os instrumentos típicos e a cantar. Um capoeirista que ignora a musicalidade é considerado incompleto.
A capoeira estará presente trazendo a ginga, a música e a história dessa comunicação corporal que é luta dançada e cantada com tanta beleza, representando a resistência dessas nações africanas que vieram compor a nossa brasilidade!

MARACATU

Maracatu é um ritmo musical, dança e ritual de sincretismo religioso com origem no estado brasileiro de Pernambuco. O maracatu de baque virado é caracterizado pelo uso predominante de instrumentos de origem africana. Na percussão chamam atenção os grandes tambores, chamados alfaias, que são tocados com baquetas específicas. Estes dão o ritmo ou o baque da música e são acompanhados pelas caixas ou taróis, ganzás, abês e um gonguê ou agogô.
Durante o nosso festival vamos ter oficinas de maracatu e um dia inteiro dedicado a essa arte. Vamos conhecer a riqueza de simbolismos da musica e da dança que representa essa arte genuinamente brasileira.

DANÇAS CIRCULARES

Vamos dançar e conhecer os ritmos populares do Brasil nesse encontro! Através da dança circular vamos dar as mãos e nos unir em uma corrente de paz e união! As rodas de dança são muito presentes em Piracanga, e nesse encontro vamos trazer especialmente as danças dessa terra como o coco, o samba, a ciranda e as danças para os orixás.

INKIRI PIRACANGA

A comunidade inkiri Piracanga vem sendo reconhecida como uma das principais ecovilas do mundo, e graças ao trabalho comunitário de gestão ambiental estamos inspirando uma forma de vida em que o ser humano se torna bem vindo ao ecossistema, superando o status de explorador/depredador. Vamos trazer a proposta de vida ecológica e durante esses dias os participantes poderão experimentar como vivemos em Piracanga e entender porque fizemos essas escolhas comunitárias.

Então o convite é de que você também traga a sua brasilidades para compormos um lindo festival, com muita diversão, junto com o despertar da consciência para a nova era que já estamos vivendo! 


PROGRAMAÇÃO

Confira a programação por dia do Festival:

 

8 de junho – COMUNIDADE

9h – Abertura do festival e Apresentação da Comunidade Inkiri: Sonhos e Realizações

11h – Oficina de Percussão com Analu Caldas ou Rodada do Beija – flor (Leitura da Aura)

12h30 – ALMOÇO

14h30 – Vivência de Agrofloresta com Jorge Ferreira ou Rodada do Beija – flor (Leitura da Aura)

17h – Sunset com Danças Circulares

20h15 – Show Afro brasilidades com Analu Caldas

9 de junho – AGROECOLOGIA

9h – Plantas e fungos nativos da Mata Atlântica com Jorge Ferreira

11h – Oficina de produtos biodegradáveis ou Apresentação Permangola e kilombo tenonde

12h30 – ALMOÇO

14h30 – Palestra Agricultura familiar e agroecologia Com Dani Sanfins

17h – Sunset com palestra sobre o Gaia e a Cultura Regenerativa

20h15 – Apresentação da Escola Inkiri

10 de junho- CAPOEIRA

9h – Atividade com o mestre cobra mansa

11h – Palestra da história da capoeira ou Visita Guiada pelo Centro Inkiri e Piracanga

12h30 – ALMOÇO

14h30 – Aula de Capoeira com André Rochaou Atividade de percussão com Analu Caldas

17h – Sunset com roda de capoeira

20h15 – Atividade/palestra com o mestre cobra mansa

11 de junho – RAÍZES INDÍGENAS

9h – Medicinas e histórias do povo tupinambá

11h – Workshop Bioconstrução e saneamento ecológico ou Vivencia de Danças Circulares

12h30 – ALMOÇO

14h30 – Oficina maracatu na tradição( fundamento, canto e percussão) ou workshop Plantas e Medicinas e Preparados naturais

17h – Sunset

20h15 – Ritual Porancin (Tupinambá)

12 de junho – DANÇAS CIRCULARES

9h – Oficina com Maíra e Jana

11h – Workshop de cantos e danças tradicionais de pernambuco( coco, ciranda e maracatu) ou Reconhecimento de Plantas Alimentícias (PANCs)

12h30 – ALMOÇO

14h30 – Aula de capoeira com André Rocha
ou Samba de roda

17h – Sunset e palestra sobre impacto socio ambiental

20h15 – Grande Festa Junina com Casamento na Roça!

CONVIDADOS

Nadia e Ramon – Cultura indígena

Vamos honrar a nossa diversidade e celebrar as múltiplas matrizes étnicas que compõem o povo brasileiro. Os povos indígenas estarão representados pelo cacique Ramom e Nadia que também é uma importante liderança da Aldeia Tucum – povo Tupinambá de Olivença – BA. Eles vêm trazendo rodas de conversa, ensinarão sobre o cuidados e orientação espiritual com plantas, vamos ter um ritual ao redor do fogo, e a dança porancim e pintura corporal.
É com muita alegria e gratidão que vamos dançar de mãos dadas e receber essa sabedoria milenar que o povo tupinambá vai trazer para o nosso festival.


Ana Diniz – Maracatu e ritmos populares

Formada em Dança Popular, no Balé Popular do Recife, e em Educação Artística- Artes Cênicas pela UFPE , passando por uma grande jornada que envolveu a participação no Maracatu Estrela Brilhante do Recife, criação do curso “Dança e improvisação”, Ana é cantora, compositora e produtora fonográfica de 2 Cd’s autorais: “Cocos, Cirandas e Canções” 2007 e “Terra”  2011; Esteve criando diversos Workshops, oficinas e espetaculos ligadas aos “ Cantos e Danças Tradicionais de Pernambuco”. Hoje, é dirigente e mestra do Maracatu Estrela de Serra em Serra Grande, Ana é a nossa referência em Maracatu no sul da Bahia, e vai trazer o seu trabalho para o nosso Festival Brasilidades!


Mestre cobra mansa – kilombo Tenondê e capoeira

Um dos fundadores da Fundação Internacional de Capoeira de Angola (FICA), com sedes em diversos países da Europa, Américas e Ásia (www.capoeira-angola.org). Mestre Cobra Mansa é bem conhecido na capoeira mundial. Começou na capoeira em 1973 junto com Mestre Josias da Silva e Raimundo no Rio de Janeiro, mais precisamente em Duque de Caxias. Em 1981 passou a residir em Salvador, onde começou a organizar uma escola, a GCAP (Grupo Capoeira de Angola Pelourinho), juntamente com Mestre Moraes.
Hoje o mestre é doutor em Difusão do conhecimento e análise cognitiva, já viajou por Angola, Africa do Sul, Botsuana e EUA, representando o Brasil com a sua capoeira, Além de dedicar tempo a cultura regenerativa através da permacultura no Quilombo Tenonde, municipio de Valença – BA, onde organiza o festival PERMANGOLA, que une atividades de permacultura e práticas de capoeira angola.
No festival brasilidades, vamos ter um dia inteiro dedicado a capoeira com a condução desse mestre além palestra e de práticas durante todo o festival


André Rocha – Capoeira

É um apaixonado pelo o universo do corpo. É Terapeuta Integrativo, formado em educação física desde 2004, especialista em treinamento desportivo, massoterapia quântica intuitiva e em diversas técnicas de terapias manuais e energéticas. Desde criança é esportista e praticante de artes marciais. Aos 11 anos conheceu a capoeira e aos 16 se graduou instrutor. Lecionou em escolas, projetos sociais, academias e universidade. Hoje com 25 anos de experiência nesta arte, integrou seus conhecimentos à filosofia do O-DGI ( O Despertar do Guerreiro Interno), com o propósito de unir os saberes ancestrais da natureza à ciência do corpo, aliado ao desenvolvimento da maturidade emocional através dos valores humanos.
No Festival Brasilidades o André vai trazer atividades de O-DGI Capoeira, trabalho que vem desenvolvendo em inkiri desde 2018.


Jorge Ferreira 

Nascido em Paraty, Jorge adquiriu empiricamente com seus familiares o olhar para identificação botânica, assim como construiu relações harmônicas com a Natureza. Iniciou seus estudos científicos de forma autônoma, em contato com universitários que frequentavam o sítio da família Ferreira para estudos de agrofloresta. Mais tarde, passou ao estudo de botânica e transformou tudo isso em uma carreira dedicada à agrofloresta, aos alimentos e às plantas medicinais. Hoje, trabalha diretamente com projetos dedicados ao cultivo de relações harmoniosas com a natureza e no desenvolvimento de sistemas de produção sustentável.


Danielle Sanfins

Engenheira agrônoma formada na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) em 2007 e mestra em agricultura orgânica pelo Programa de pós-graduação em agricultura orgânica da UFRRJ (PPGAO) em 2019. Estuda e pratica agroecologia desde o início de sua formação. Com experiência em agricultura urbana, se dedica no mapeamento e estudo prático das espécies espontâneas alimentícias e medicinais, com a valorização da cultura local. Acredita que a reconexão do ser com a natureza começa desde muito cedo, na integração dos saberes e sabores que a biodiversidade da Mata Atlântica oferece.


Maíra Sagnori de Mattos

Apaixonada pela dança em seus mais diversos estilos, especialmente os ritmos brasileiros, focaliza vivências de Danças Circulares em Inkiri Piracanga desde 2015, mantendo a tradição comunitária que simboliza e reflete muitos dos valores da comunidade Inkiri.
Maíra também é responsável pelo trabalho de reflorestamento e gestão ambiental realizado em inkiri desde 2011.


Janaina Riccioppo foi praticante de ballet clássico, dança moderna e contemporânea desde os 7 aos 16 anos de idade, onde a rigidez e disciplina requerida nessas práticas foram fatores decisivos para seu afastamento. Hoje, atuante na área de desenvolvimento de projetos, educadora e amante da natureza, encontrou nas Danças Circulares uma nova forma de relação com essa arte e expressão, que valoriza a liberdade, a unicidade, a união, honrando nossas raízes e antepassados. Janaina é facilitadora e coreógrafa de Danças Circulares em Inkiri Piracanga, onde vive há cerca de 3 anos.


Analu Caldas

Cantora e compositora, Analu realiza um trabalho muito profundo de cura e expansão da consciência com a musica em Inkiri Piracanga. Nesse festival ela vai trazer oficinas de percussão inspiradas em ritmos brasileiros: Percussão é conexão com nossas raízes. É entrar em contato com partes nossas que já possuem intimidade com batuques e ritmos diversos, mesmo que não tenhamos consciência. Vamos mergulhar na sabedoria dos nossos antepassados que traz tantos benefícios, que tanto une. Vamos trabalhar com noções básicas de percussão e ritmos. Não precisa ter conhecimento prévio.


Aline Bento

Vive entre Piracanga e Espírito Santo, trabalhando com projetos envolvendo jovens atingidos pela tragédia do Rio Doce, além de trabalhar com a frente de impacto em inkiri Piracanga. A Aline focaliza danças circulares e vai trazer todo o seu brilho para o festival.


Mariana Bernardes

Mariana Bernardes vive em Piracanga há dois anos e redescobriu na dança circular a leveza dos passos, o prazer pelo movimento do corpo e a potência das mãos dadas em roda. Impulsionada por essa força, se formou como focalizadora de danças circulares pela Comunidade Dedo Verde em São Paulo, e hoje focaliza danças em Inkiri Piracanga ajudando a sustentar o movimento na Comunidade.


Valores

O Festival oferecerá 2 tipos de acomodação: 

  • hospedagem completa no Centro Inkiri (com as 3 refeições completas);
  • hospedagem na nossa Casa União em quartos duplos (sem alimentação)

IMPORTANTE: Quem optar pela hospedagem na Casa União, deverá fazer a reserva na página das Casas Inkiri e indicar que irá participar do Festival

Segue abaixo os valores de cada uma dessas opções conforme os lotes:

1° Lote (até 20 de janeiro)

Quarto Individual – R$ 2.501 à vista ou 10x de R$ 268,70

Quarto Duplo – R$ 2.045 à vista ou 10x de R$ 218,90

Quarto Triplo – R$ 1.865 à vista ou 10x de R$ 198,50

Quarto Coletivo – R$ 1.541 à vista ou 10x de R$ 162,50

Casa União – R$ 1.065 à vista ou 10x de R$109,60

 

2° Lote (até 20 de março)

Quarto Individual – R$ 2.651 à vista ou 10x de R$ 283,70

Quarto Duplo – R$ 2.195 à vista ou 10x de R$ 233,90

Quarto Triplo – R$ 2.015 à vista ou 10x de R$ 213,50

Quarto Coletivo – R$ 1.691 à vista ou 10x de R$ 177,50

Casa União – R$ 1.215 à vista ou 10x de R$124,60

 

3° Lote

Quarto Individual – R$ 2.801 à vista ou 10x de R$ 298,70

Quarto Duplo – R$ 2.345 à vista ou 10x de R$ 248,90

Quarto Triplo – R$ 2.165 à vista ou 10x de R$ 228,50

Quarto Coletivo – R$ 1.841 à vista ou 10x de R$ 192,50

Casa União – R$ 1.365 à vista ou 10x de R$139,60

 

Somente 1 dia de Festival

Quarto Individual – R$ 571 à vista ou 10x de R$ 60,20

Quarto Duplo – R$ 495 à vista ou 10x de R$ 51,90

Quarto Triplo – R$ 465 à vista ou 10x de R$ 48,50

Quarto Coletivo – R$ 411 à vista ou 10x de R$ 42,50

Casa União – R$ 565 à vista ou 10x de R$59,60

Somente o festival – R$200 à vista ou 10x de R$22,00

 

 

Data de chegada e saída

Devido à nossa localização, você precisa se organizar para chegar no dia XX e sair no dia YY. Assim você não perde nenhuma das atividades. Se quiser aproveitar mais, pode pedir diárias extras tanto antes como depois.

Ficou com alguma dúvida antes de fazer a sua reserva? Entre em contato com a gente por WhatsApp clicando aqui.

Se você quiser tirar dúvidas sobre o curso/retiro direto com o facilitador(a), clique aqui


Garanta agora a sua vaga!