Recebemos mais uma visita do arquiteto e urbanista Edgard Gouveia Jr. em Inkiri Piracanga. No início de 2019, seu trabalho com jogos cooperativos levou jovens da Universidade Viva Inkiri e participantes do Gaia Inkiri Piracanga a sonhar junto com pessoas que se dedicam a materialização de outros sonhos, de maneira desinteressada em Inkiri Piracanga, e promover uma transformação em grande escala.

“Sonho que se sonha só é só um sonho que se sonha só. Sonho que se sonha junto é realidade”. A música Prelúdio, de Raul Seixas, pode ser utilizada para descrever uma das principais mágicas que acontecem em Inkiri Piracanga. Um trabalho realizado com participantes de duas imersões, no início deste ano, mostra isso.

Abimael Santos nasceu em Serra Grande (BA), cursou Agroecologia e, há um ano, se dedica à Bioconstrução de Inkiri Piracanga. Ele foi um dos escolhidos por unis e estudantes da Escola da Natureza para ter seu sonho revelado e materializado em um jogo cooperativo promovido por Edgard Gouveia Jr.

Aos 27 anos, Bima, como é carinhosamente chamado por todos em Piracanga, abriu seu coração. Tinha um sonho que começou a aflorar há cinco anos, quando terminou sua formação. Trabalhou com água em um lugar em que não havia plantas. Ao chegar em Inkiri Piracanga, entrou para a equipe da Bioconstrução, e uma vontade brotou ao ver que, com a permacultura, flores e jardins também são cultivados no Centro Inkiri.

“Vim aprender e estou aqui trabalhando com Bioconstrução. Muito feliz pois tudo o que eu sei agora, de construção, foi aqui que eu aprendi. Então o pessoal veio até mim e perguntou sobre o meu sonho. Aí eu abri meu coração e disse para elas que era conhecer mais sobre flores. Que eu gosto muito de jardinagem, de ver a beleza das flores. Elas começaram a estudar e ver onde teria um lugar para eu aprender e conhecer diversos tipos de flores. Foi aí que descobriram Holambra, em São Paulo”, conta Bima.

Os jovens da Uni Viva Inkiri e os participantes da formação Gaia Inkiri Piracanga reuniram energia e focaram a materialização do sonho de Bima, que se tornou coletivo e será realizado graças a essa grande união e toda a mobilização promovida dentro e fora de Piracanga. Em agosto, o nosso querido amigo vai ao 38º Expoflora!

Mais sobre Bima

Inkiri Piracanga é a terceira comunidade em que Bima vive. “Nas ecovilas em que trabalhei, tinha roças. Nos fundos dos quintais tinha plantas. Eu plantei quando eu era pequeno e essas plantas dão frutos hoje. Tem um pé de jaca, um de cajarana e um de ingá que, antes de vir para cá, já davam frutos. Sempre vou lá e vejo, já provei dos frutos. Mas de flores, ainda não plantei nenhuma. E agora quero fazer jardins. Plantar e trabalhar. Trazer essa experiencia para cá, na vida real. Eu mesmo fazer, ver uma coisa que eu fiz e falar ‘nossa, eu pude fazer aquele jardim e as pessoas estão desfrutando, tirando fotos. E, nossa, com cores!’”.

Sobre onde vai aplicar o conhecimento conquistado, Bima reponde feliz. Mais uma vez, se colocando à serviço da materialização do sonho de outras pessoas. Neste caso, de toda uma comunidade: “Aqui em Piracanga mesmo. Como aqui vai ter as abelhas [N.E.: a Comunidade Inkiri está trabalhando em um cuidadoso projeto de meliponicultura neste ano], então tem que ter um canto das flores.”.

Outros lados do jogo

A mobilização em torno do sonho de Bima fez com que várias pessoas sonhassem juntas. O desejo de um se tornou o de muitos, ao mesmo tempo que outras materializações de sonhos e transformações são realizados em paralelo.

O jogo proposto por Edgard tinha regras. Entre elas, a condição dos participantes não promoverem arrecadações diretas como vaquinhas e um tempo determinado para que eles formassem grupos, criassem contas em redes sociais e começassem a divulgar o próprio jogo (clique aqui para acessar o Instagram do projeto X-Ama).

Um jogo que começou pela busca por pessoas ligadas a Comunidade Inkiri que costumam ajudar ao outro de coração, sem querer algo em troca. Seguida de entrevistas para conhecer as histórias dessas pessoas. E, a partir daí, ajudá-las a revelar seus sonhos para, enfim, materializá-los.

A princípio, o de Bima passava por conhecer jardins, flores e uma grande vontade de viajar para o exterior. Levar o trabalho que desenvolve em Inkiri Piracanga para fora e aprender mais. Assim como construir um jardim em frente a sua casa. “Então a gente começou a ver a coisa acontecer. Conseguimos uma mochila. Saímos nas trilhas e conseguimos várias coisas, várias informações sobre comunidades na Alemanha que podiam fazer sentido para o que ele estava querendo”, conta a ex-uni Ana Zanesco.

Porem, ao trabalhar com técnicas ligadas aos sonhos, aprendidas nos cursos em Inkiri Piracanga, os participantes perceberam que o ideal não era levar Bima para a Alemanha. “Acho que o mais incrível foram os momentos de virada, quando a gente falava: ‘Não é isso, vamos voltar a sonhar’. E tínhamos que ter essa gana de fazer tudo do zero”, explica Ana. “Pensamos em Holambra, e veio a possibilidade do Festival das Flores. E aí ele amou a ideia, se sentiu super contemplado”.

Em pouco tempo, fizeram outros contatos e compartilharam ainda mais o jogo que estavam jogando. Ana conta que, com a produção do Expoflora, conseguiram as entradas para o festival. Foram atrás de companhias aéreas, de hotéis e que decidiram fazer dinheiro. “Começamos com os brownies. E foi muito bom, porque com eles a gente levantou uma grana que, quando fomos fazer o Forró das Flores, já tínhamos para investir em tudo que íamos gastar. Foi incrível!”.

Mais uma vez os participantes se uniram, cozinharam, mobilizaram toda a comunidade de Piracanga a participar do Forró das Flores e, com isso, conseguiram arrecadar aproximadamente R$ 1,3 mil para as passagens e a alimentação de Bima.

“Um dos dias mais mágicos foi quando a gente começou a pesquisar sobre a Alemanha. Parecia tão maluco esse sonho, tão distante. E quando a gente viu que era super possível, que tinha gente querendo apoiar, que daria certo… Aí a gente falou: ‘É isso. Pode ser qualquer coisa, qualquer sonho, que a gente consegue’. Isso deu um gás. Se a gente pode levar ele para a Alemanha, a gente pode fazer qualquer coisa.”, afirma Ana. Inclusive levar Bima para Holambra!

O jogo promovido por Edgard Gouveia Jr. fez com que pelo menos outros três desejos de pessoas entrevistadas pelos participantes fossem realizados. E, apesar destas turmas da Uni Viva Inkiri e do Gaia Inkiri Piracanga terem chegado ao fim, a mobilização em torno do sonho de Bima continua. Tanto que a Comunicação Inkiri abraçou a causa e abre um espaço, aqui, para aqueles que sintam que podem contribuir de alguma maneira. É só entrar em contato com a Ana Zanesco pelo WhatsApp (11) 94527 0303.

“Pessoalmente, o que posso dizer é que mudou uma coisa em mim. Pois sempre tive dificuldade de sonhar. Nunca me permiti sonhar. Tem muito a ver com a minha história e a da minha família, onde não existe isso. E aí, aqui, com esta dinâmica do Edgard e com o Dragon Dreaming, que também foi muito importante, mudou esse programa de que não dava para sonhar e de que eu precisava fazer tudo sozinha. Super dá para sonhar junto. É assim que a coisa funciona. Sonhando junto, o sonho fica maior e a gente acredita”, revela Ana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.