Por Juliana Faber (Comunidade Inkiri – Piracanga/BA)

No último mês tive a alegria de participar de um curso chamado A Natureza Rítmica da Água. Esse curso foi fruto de um desses encontros únicos e peculiares que a vida proporciona quando estamos conectados ao fluxo.

Guilherme Castagna, grande amigo, que me inspira e quem admiro profundamente pela sua conexão com a Água e pelo humano incrível que é, me falou de Paul Van Dijk, um holandês que através da fenomenologia de Goethe traz um olhar sensível e maravilhado da Água.

Paul Van Dijk e a Água

Nos primeiros dois anos que Paul veio ao Brasil não pude ir ao seu encontro. Foi quando Gui falou: larga tudo e vem para esse curso, que ele realmente vai transformar sua vida. Nesse momento percebi que realmente precisava me mover e trazer Paul para Piracanga. E foi o que fiz.

Ao conhecê-lo, logo percebi que Paul era um desses naturalistas que pela observação e conexão traziam a tona o maravilhamento e encantamento com a beleza, com os detalhes da Natureza. Na primeira pergunta do curso já me deparei com os limites da minha observação. Vi o quanto limitada é minha estrutura de pensamento. Mas por isso mesmo me senti impelida a mergulhar nesse mistério.

O que é a Água?

E ao mergulhar nesse mistério, ao observar apuradamente, ao me conectar com meus sentimentos e emoções e, finalmente, ao contemplar cuidadosamente, fui descobrindo muitas nuances, e quiçá um pouco desse sentido essencial da Água.

Pois existe uma essência escondida na Água. Essa essência gera espanto. E é impossível não se maravilhar com esse elemento que muda nossa pele, que muda nosso corpo e que sustenta toda vida.

É algo que não tem forma, e é totalmente movimento. Envolve e acolhe todas as formas vivas. É abundantemente presente onde a vida se desenvolve no espaço e no tempo, nas formas. A Água é uma espécie de “mediador” entre dois mundos. O tempo todo torna possível e mantém, sem determinar. E por tal é totalmente ‘altruísta’.

Qual o papel da Água no planeta e no nosso ser?

  • Ela absorve e passa adiante, sem querer marcar presença;
  • É extremamente sensível às influências materiais e imateriais;
  • Ela também me envolve a medida que permito o envolvimento;
  • A Água sempre tende a união, volta para o todo o tempo todo, e leva sempre à unidade;
  • Em alguns momentos nos faz perder os limites do nosso corpo, nos acolhendo na unidade;
  • Mesmo quando vem de direções opostas, a Água se encontra e se unifica, ela sempre faz esse movimento;
  • Mesmo oferecendo uma gentil resistência ao toque ela é receptiva e aceita qualquer forma que lhe é oferecida;
  • A Água entra em um lugar e sempre quer se comunicar com o todo;
  • Possui um tipo especial de inteligência: ela está sempre disponível sem ser determinante;
  • Em qualquer resistência a Água reage com ritmo. Com ritmo a Água está em sua essência.

Descobrindo a Água em mim

Com todas essas nuances, percebi que o encantamento e maravilhamento tomou conta do meu ser. Já sabia que somos mais de 70% Água pelo peso total, mas se contarmos a quantidade de Água nas nossas células, chega a 90%. Sou quase Água pura!

No momento da concepção, nos desenvolvemos em um ambiente onde tem quase 100% de Água. E nessas percepções que sou, fui mergulhando cada vez mais nesse ser. Nessa entidade/organismo que chamamos de Água, fui me sentindo mais íntima, mais próxima da Água que sou. Fui descobrindo e me identificando cada vez mais.

O que mais me fascinou foi saber que a Água pulsa: No final da segunda semana, se sabe onde o coração vai se desenvolver pela pulsação existente. Antes do coração já existe uma pulsação que traz um ritmo.

É a Água que faz o coração pulsar. E ver essa pulsação com meus próprios olhos me fez ter a certeza que que estou diante de um Ser, de um grande organismo.

Nisso percebi que a Água é a mediadora entre o visível e invisível. É a inteligência que traz o mistério para a superfície e de alguma forma revela o invisível.

O Amor da Água

Nessa observação/conexão/maravilhamento percebi que a Água tem sempre uma intenção, uma inteligência e se comporta sempre de forma rítmica, sempre procurando um equilíbrio.

Por esse contato/mergulho senti no mais profundo do meu ser que a Água é o amor incondicional do qual todos tanto falamos, ela só dá e não segura nada para ela.

E fui recebendo esse amor todo, que o tempo todo a Água nos dá. É essa mesma Água que nos traz pra unidade o tempo todo. Ao receber tudo isso, impelida pelas palavras de Paul, consegui me perceber como Água e me perguntar:

  • O que a Água quer da gente?
  • Como podemos estar a serviço da Água?
  • Como pensar como a Água pensa?
  • O que isso nos diz sobre o meu ser interior? E como posso apoiar isso?
  • Como posso ajudar a Água no desenvolvimento dessa função de manter/sustentar a vida?
  • Seu ritmo é o comportamento essencial da Água? Como podemos encontrar esse ritmo?

No curso, através de varias experimentações, através do encontro de meandros, das formações de argila, da tecnologia Flowform, pudemos ver qual é o ritmo natural da Água, qual é seu fluxo. O padrão de fluxo rítmico natural na forma de fluxo estimula a capacidade de vida da água e, portanto, os processos de vida nela.

Esse ritmo estimula a capacidade natural de sustentar a vida. Quiçá o primeiro passo seja recompor ou reencontrar esse ritmo. É uma das formas, das direções. Mas dentro percebo cada vez mais que a Água é ilimitada, é essa expressão do mistério, do inigualável que conseguimos experimentar, ainda que não totalmente.

E disso tudo que vivi me vem muitos questionamentos, aos quais eu talvez leve a vida para ter respostas. Me vem principalmente uma intenção, uma vontade: como posso fazer jus a Água que sou. Como posso me mover no meu ritmo, no meu fluxo? Como posso revitalizar cada vez mais minhas Águas?

E me inspiro na fenomenologia de Goethe para me mover para as respostas: é necessário observação apurada (autobservação), posterior conexão com minhas emoções e sentimentos (minhas Águas internas), para finalmente, através da contemplação cuidadosa, acessar o sentido mais profundo, o que há de mais essencial.

Vamos nessa? Que nos tornemos cada vez mais Água!

Quer se conectar cada vez mais com as suas águas? Clique aqui e saiba tudo sobre o Retiro Conexão Águas que teremos em setembro!

 

 


Foto da Juliana Faber dentro do Rio Piracanga, parte da série Mulheres Inkiri: voz em mãosJuliana Faber se dedica a sensibilizar as pessoas da conexão profunda entre as plantas e as nossas Águas. A Educação Ecológica, Permacultura, a produção de cosméticos e outros produtos naturais são as formas de manifestar essa conexão. Viveu em Institutos de Permacultura (IPEP-Instituto de Permacultura da Pampa e IPEC- Instituto de Permacultura do Cerrado) por sete anos e praticou com grandes nomes da Permacultura, irradiando por cursos e vivências o que tem vivido. Na Comunidade Inkiri criou a marca Plante!, de produtos de higiene pessoal e limpeza biodegradáveis, e onde é guardiã do Templo das Águas, núcleo de cuidado das Águas e de soluções em pequena escala. É uma apaixonada pela vida, pela Natureza e, através da simplicidade, procura inspirar as pessoas para a comunhão com a Terra e a conexão com sua natureza interna e externa. Água é fluxo, é movimento, é informação e memória, é vida, é amor, através da consciência de que somos Água podemos trilha o caminho do autoconhecimento e da cura do planeta.