img-20161113-wa00132
Tarde de vivências no jardim da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus/BA

A Comunidade Inkiri, de Piracanga, foi convidada para participar da I Semana de Promoção de Cultura de Paz da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, para discutir educação, cultura de paz e não violência dentro do campus da faculdade, e estimular atividades de autoconhecimento e relaxamento entre os alunos. Ilhéus é uma das grandes cidades mais próximas da ecovila de Piracanga, localizada a cerca de 100 quilômetros daqui.

O evento aconteceu entre os dias 17 e 21 de outubro, coordenado pela prof. dr. Milene Peixoto Ávila, do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas, e foi aberto para todos os cursos da universidade com o objetivo de plantar uma semente de consciência para uma nova era. “De um modo geral, consideramos que o objetivo da I Semana de Promoção de Cultura de Paz da UESC foi cumprido, tanto pelo feedback do público participante, como por parte da coordenação do evento”, diz Milene.

À Comunidade Inkiri coube a tarefa de fechar a semana com uma palestra sobre a Escola Inkiri pela manhã e, pela tarde, com vivências de música, danças circulares e meditação sonora conduzidas pelos músicos Carlos Amaral e Analu Caldas.

A palestra feita por Frederico Behrends e Karina Clark, educadores da Escola Inkiri, trouxe um olhar para a nova educação fazendo um contraponto entre a educação que reproduz e aquela que transforma. Fred e Karina falaram também sobre a importância de trabalhar não só a parte cognitiva e física, mas também as emoções e o autoconhecimento. Foram apresentados os quatro valores-base da Escola: respeito, espiritualidade/autoconhecimento, presença e amorosidade, fazendo um link com as práticas de ensino, além da missão, pilares e o conceito de uma “comunidade de aprendizagem”, que é uma das maiores transformações da educação nos últimos tempos. O tema despertou um grande interesse entre os ouvintes, gerando muitas perguntas após a palestra.

img-20161113-wa00122

Os alunos da UESC ao redor dos músicos durante dança circular

“Foi incrível ver as pessoas que tiveram o primeiro contato com meditação e os mantras indianos se entregarem completamente para a experiência em uma energia de cura e transmutação. Muitas emoções foram movimentadas durante a prática, tendo sido curador para muita gente. Um dos alunos relatou que foi emocionante ter a possibilidade de, diante da correria do dia a dia, parar uma pouco e, por meio do canto e do silêncio, poder se conectar com coisas tão profundas”, conta Fred.

“Para a comunidade acadêmica, foi muito bom poder vivenciar essas atividades e saber que é possível realizar um excelente trabalho educativo e que promova a cultura de paz sem necessariamente estar dentro dos moldes tradicionais. Agradeço de coração a participação da Comunidade Inkiri. Espero que esse seja o primeiro de muitos outros trabalhos em parceria entre a UESC e a Comunidade”, encerrou Milene.

Para nós, da Comunidade Inkiri, foi motivo de grande felicidade ver as portas de grandes instituições de ensino se abrindo para a nova era de uma educação mais humana e amorosa com o indivíduo. Acreditamos que é preciso ressignificar o papel da escola e o ambiente de aprendizado pois, somente por meio destas mudanças, é possível promover novas possibilidades para o futuro das crianças. O Amor em mim saúda o Amor em você!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *